Imagine que aconteça algo que impeça você de trabalhar por um tempo, seja férias ou algum problema pessoal, o que vai acontecer com o projeto? Quantas pessoas são necessárias estarem ausentes para o projeto parar? Se há algo que todos compartilhamos, independente da área, é a seguinte: formar times autossuficientes. Isso leva tempo, seja no software ou em outra área, como futebol por exemplo.

Você não pode esperar que um time produza perfeitamente na primeira vez que ele se encontra. Formar um time leva tempo, e os membros passam por estágios, onde deixam de ser um grupo de estranhos e se tornam um time de pessoas unidas com objetivos em comum.

Em 1965, o psicólogo Bruce Tuckman publicou um artigo chamado “Developmental Sequence in Small Groups”, onde cunhou a frase que o tornou famoso e começaria a transformar em ciência esse processo tão nebuloso: “Forming, Storming, Norming and Performing”. Descrevendo os passos da formação de um time entrosado e produtivo, e demonstrando em cada passo a presença fundamental do líder, auxiliando e guiando o time, permitindo a evolução contínua.

Forming (formação)

Esse é o primeiro estágio, onde o grupo de estranhos começa a se conhecer. Nesse estágio todos são educados e tímidos. É um estágio com baixa clareza das responsabilidades de cada um, levando a uma baixa produtividade do time. Nesse estágio os sentimentos comuns são nervosismo e ansiedade. É fundamental o papel do líder para guiar o grupo na estabilização das metas e objetivos, deixando claras as responsabilidades de cada um e aproximando o time.

As características mais comuns desse estágio são:

  • Educação.

  • Todos estão tentando descobrir o propósito do time.

  • O time está positivo.

As maiores responsabilidades do líder nesse estágio são:

  • Apresentar os membros do time.

  • Definir o objetivo do time.

  • Definir as responsabilidades de cada um.

  • Mostrar-se positivo.

Storming (confrontação/tempestade)

É nesse estágio que grande parte dos times fracassa. Esse estágio é caracterizado por conflitos entre os membros do time. Eles já interagem, e começam a ir além dos limites estabelecidos na formação, começam a haver questionamentos sobre o estilo de trabalho de cada um. Além disso, nesse estágio as metas já podem estar definidas, mas as responsabilidades de cada membro do grupo ainda não, o que pode facilitar a geração de conflitos. Alguns membros podem acabar ficando na defensiva, gerando competição e escolha de lados. É importante que o líder guie o grupo durante esse processo, e inicie a formação de cada talento individual, mostrando para cada membro o quão valioso é individualmente e como parte do grupo. Assim que os membros começam a entender uns aos outros e seus papeis, pode ser iniciada o estágio de Norming.

As características mais comuns desse estágio são:

  • Resistência a tarefas (por pensar que não é sua responsabilidade).

  • Resistência a críticas.

  • Resistência as decisões do líder.

  • Tensão.

As maiores responsabilidades do líder nesse estágio são:

  • Manter o grupo unido, transformados críticas em sugestões e dando abertura para cada opinião.

  • Mostrar-se positivo e inspirar a positividade.

Norming (normatização)

Aqui os membros do grupo começam a resolver suas diferenças, respeitar e perceber a força do trabalho em equipe. Os membros do grupo se conhecem melhor, começam a socializar juntos e são capazes de pedir ajuda uns aos outros e fornecer feedbacks construtivos. Nesse estágio há grande aumento do entusiasmo e grande comprometimento com o objetivo do time. É possível que o time acabe indo e voltando entre Storming e Norming, a medida que novas dificuldades surgem. É importante que nesse ponto o líder tenha definido as responsabilidades de cada membro, pois o time começa a se tornar autossuficiente. Ainda existe a necessidade de forte liderança, mas não tanto quanto no Storming. É nesse momento que pode começar a aparecer novos líderes no grupo.

As características mais comuns desse estágio são:

  • Habilidade de expressar e aceitar críticas construtivas.

  • Sensação de trabalho em equipe.

  • Tentativas de obter harmonia.

  • União.

As maiores responsabilidades do líder nesse estágio são:

  • O líder deve conduzir a equipe ao ponto de que a sua ausência não seja motivo para que algum processo não possa ser executado.

  • Deve iniciar o processo de formação de talentos individuais.

Performing (atuação)

Esse estágio é caracterizado por bastante trabalho e comprometimento. Os pilares que o líder construiu são para sustentar esse estágio, dando confiança a ele para poder delegar grande parte dos seus afazeres para a equipe e poder se concentrar na formação de cada talento individualmente, bem como na formação de novos líderes.

As características mais comuns desse estágio são:

  • O time é unido e comprometido com os objetivos.

  • É fácil sentir-se um membro valioso.

Na vida real

Hoje posso dizer que a minha equipe está no estágio de Performing, com algumas idas e vindas ao estágio de Norming, e consigo lembrar e perceber cada estágio que passamos claramente.

Nosso Forming

Foi o início do projeto, ninguém se conhecia e nem conhecia o líder. Éramos três desenvolvedores e uma testadora. O início foi calmo, sem muita interação, apenas timidez.

A equipe acabou por se reunir inteira no primeiro dia de planning.

Nosso Storming

Após algumas reuniões e plannings, iniciamos o desenvolvimento e os testes do projeto, atingindo assim o estágio Storming. Nós do desenvolvimento, começamos a ter dificuldade com a arquitetura do projeto, e a nossa testadora iniciou sua primeira experiência com testes automatizados; foi nesse estágio que começou a surgir diversos questionamentos ao líder e ao time. Foi um período um pouco turbulento e com baixa produtividade. O arquiteto do cliente era bastante exigente, e por conta disso fazíamos bastante revisão de código. Foi nesse período que cometermos alguns erros na arquitetura, esses erros causaram um atraso no Sprint e foi necessário trabalhar alguns dias após o horário para compensar.

Nosso Norming

Conforme o líder guiou o grupo pelos novos desafios, conseguimos atingir o estágio de Norming. Começamos a dominar a arquitetura, começamos a estimar com mais precisão, a gente se ajudava e prestava feedbacks. Nesse período começamos com mini dojos na equipe, para disseminarmos os conhecimentos. Nesse período começamos a nos relacionar melhor, a confiar mais no trabalho de cada um e fazer amizades. Nossa produtividade estava alta, todos estavam comprometidos em dar seu melhor e entregar o projeto, e foi isso que aconteceu. Fizemos uma entrega de excelente qualidade e fomos bastante elogiados.

Nosso Performing

Conforme o tempo foi passando, nosso líder conseguiu formar cada membro individualmente, ressaltando alguma característica especifica de cada um. A nossa testadora, que enfrentou o desafio de iniciar no teste automatizado, no início teve suas dificuldades, mas hoje está se especializando nisso. A maioria dos nossos membros não conhecia ou estava começando a utilizar todas as tecnologias que utilizamos hoje. Alguns de nós estão se especializando em front-end, outros em backend. Hoje a ausência do líder não é motivo para que a equipe pare de produzir, todos estão com as suas responsabilidades bem definidas, e mesmo assim qualquer um de nós consegue fazer uma revisão de código, qualquer um consegue fazer um deploy, todos conhecem integração continua e automatização. Qual o próximo passo?

Sempre há o que melhorar, com a especialização de cada membro em áreas especificas surgem novos desafios. Alguns membros só conseguem produzir o seu máximo ao trabalharem nessa área que estão especializados ou que gostam mais e o time pode acabar por entrar em uma zona de conforto. O ideal é que todos sejam estejam prontos para mudança, e possam abraçar qualquer desafio. O mesmo programador deve poder programar no back, no front, no banco de dados, montar uma arquitetura e testar com a mesma performance. Isso seria poder tirar 100% de aproveitamento de cada membro e tornar a equipe 100% autossuficiente, mas como atingir esse nível? Existem diversas maneiras, a que vamos experimentar é o Job Rotation, mas isto será assunto de um próximo artigo…